Nosso roteiro de 3 dias em Vancouver, com crianças

Tivemos menos de 3 dias para explorar a cidade de Vancouver e já sabíamos que não ia dar para ver tudo. Impossível né gente? Então escolhemos as atrações a dedo e programamos dias intensos. Nesse post vou mostrar para vocês o nosso roteiro de viagem e um pouquinho dessa cidade incrível.

Nós ficamos hospedados no  Blue Horizon, um hotel com excelente localização na Robson St. As principais atrações do centro de Vancouver ficam num raio de no máximo 2,5km desse hotel. Gostei bastante .e vou escrever um post separado com os detalhes.

Dia 1: Stanley Park, Aquário, Canada Place e Gastown

Como chegamos só a noite no hotel, não vou contar o dia da chegada. No primeiro dia oficial acordamos cedinho e seguimos para o Stanley Park, onde fica o Aquário de Vancouver.

Stanley Park e Aquário

Começamos a explorar Vancouver pelo belíssimo Stanley Park, um parque urbano, localizado bem no centro da cidade. Ele possui diversas atrações, como aquário, jardins, totens e trilhas. Caminhamos por parte da Seawall, que é uma trilha pavimentada ao redor de todo o parque, com vistas incríveis da cidade e montanhas. Não percorremos o caminho inteiro, que demora em média 3 horas a pé e 1 hora de bicicleta. Fizemos o comecinho dela a pé, até os totens. Quem tiver mais tempo pode fazer o passeio de trem pelo parque ou alugar uma bicicleta.

Paramos no Vancouver Aquarium (www.vanaqua.org), uma atração imperdível na minha opinião. Especialmente para quem viaja com crianças. Comparado com o Aquário de Toronto, é uma experiência totalmente diferente. O de Vancouver é muito mais interativo. Podemos acompanhar a rotina de diversos animais, vê-los se alimentando e ouvir explicações dos funcionários sobre eles. O aquário de Vancouver é uma organização sem fins lucrativos e  funciona como um centro de pesquisa, reabilitação e educação sobre a vida marinha. Inclusive, alguns de seus moradores foram animais que não puderam ser reabilitados para voltar ao seu habitat natural.

A duração desse passeio ao Stanley Park vai depender muito do ritmo de cada um, para nós foi quase o dia inteiro. Saímos de lá direto para o Canada Place

Canada Place

O Canada Place (www.canadaplace.ca) é o prédio que se assemelha a um navio e é icônico na paisagem de Vancouver. É uma área multi uso, onde acontecem eventos e atividades para o público. É de lá que partem os navios que fazem cruzeiros para o Alaska.

No dia que fomos não tinha nada especial acontecendo então demos uma voltinha rápida, entramos no prédio para ver a pequena exposição sobre as Olimpíadas de Inverno (free) e caminhamos pela Canadian Trail, uma calçada com o nome de todas as províncias e algumas cidades do Canadá. As meninas adoraram procurar os nomes dos lugares que já conheciam.

Como o bairro Gastown não fica muito longe, decidimos ir andando até lá.

Gastown

É a parte mais antiga da cidade, como nós viemos caminhando parece que a cada passo voltávamos um pouco mais no tempo. Gastown tem casario antigo, postes de metal e calçadas de pedra, que contrastam com visual moderno do outro lado de Vancouver. O lugar é bem eclético e conta com uma mistura de lojas, restaurantes e residências.

Mas além do seu charme e história, ele tem outra coisa que atrai muitos turistas, um relógio a vapor. Guardadas as devidas proporções, ele me lembrou a torre do Big Ben, em Londres.  No topo do relógio há apitos que liberam o vapor tocando a melodia Westminster Quarter, igual a do Big Ben. Só que ao invés de sinos, ouvimos um som suave que parece uma flauta. O relógio de Gastown apita a cada 15 minutos. Ele fica na esquina da Cambie St. com a Water St.

Nessas alturas já estávamos super cansados e entramos no primeiro restaurante que estava sem fila, o Old Spaghetti Factory. Esse não é o tipo de lugar para quem busca pratos elaborados e diferentes. É uma opção mais trivial, com comida farta e em conta. As crianças curtem a comida e a decoração ecêntrica deles. Aqui em Toronto tem um em downtown. O de Vancouver está localizado no 55 Water Street.

Dia 2: Granville Island e West Vancouver

O nosso segundo dia não foi tão cheio de coisas para fazer pois precisávamos buscar o motorhome. Então visitamos Granville Island pela manhã, fizemos check out do hotel e fomos com as malas até o local onde o pessoal da Canadream ia nos buscar. Quem não vai fazer isso fica com o resto do dia livre para visitar outras atrações ou fazer compras.

Granville Island

Acordamos cedo e fomos tomar café no mercado municipal em Granville Island (granvilleisland.com). Essa é uma antiga área industrial da cidade que foi revitalizada e tornou-se um destino gastronômico, cultural e de compras. Sem dúvida, nós fomos pela comida!

O mercado deles é um paraíso para quem quer provar coisas diferentes, nos perdemos lá dentro e não saberia dizer onde compramos nada. Comemos pães deliciosos, sobremesas, salsichas defumadas, biscoitos e trouxemos alguns temperos para casa.

Nós fomos de táxi e o motorista sugeriu visitar o Kids Market. Achei bonitinho mas achei meio furada. As lojas são bem carinhas e o parquinho também (bem modesto por sinal). As meninas ficaram chateando querendo comprar um monte de coisas. Então se você não está fim de passar por esse aperreio fique longe do Kids Market (risos).

Andando de Skytrain

Fizemos o check-out e fomos caminhando até o metrô, que ficava a apenas algumas quadras do hotel. Aproveitamos para conhecer parte do centro, que é bem bonitinho.

Pegamos o Skytrain em direção ao aeroporto. Ele é muito fácil de andar e não tem segredo, o ingresso é vendido nas máquinas e o valor é definido por zonas. Quanto mais longe você for, mais vai pagar.

Só não gostei que crianças a partir de 5 anos pagam. Aqui em Toronto a gurizada anda de graça até 12 anos. Essa foi a única vez que usamos o transporte público. Como disse antes, o hotel estava pertinho de tudo então, quando não dava para ir andando, pegávamos um táxi por quase o mesmo preço do ônibus. Para mais detalhes sobre o sistema de transporte em Vancouver veja o site da TransLink (www.translink.ca).

A Canadream, onde alugamos o motorhome, fica longe para caramba e por isso oferecem transfer gratuito saindo do aeroporto.

O pôr do sol na Lions Gate Bridge

Pernoitamos num camping dentro de Vancouver, chamado Capilano RV Parking. Ele está localizado praticamente embaixo da ponte Lions Gate, então depois de devidamente estacionados, fui caminhando até quase o outro lado da ponte para ver o pôr do sol. E a natureza me recompensou. Pôr do sol em Vancouver

Dia 3: Capilano Suspension Bridge, Grouse Mountain, Sea to Sky Highway

No nosso último dia em Van (porque a essas alturas já estava íntima) fizemos dois passeios super diferentes para nós que moramos numa cidade plana como Toronto. O primeiro foi o circuito de arvorismo e ponte suspensa pelo Cânion do Capilano, o segundo um tour pela Grouse Mountain. Esses foram, sem dúvidas, os passeios que gostamos mais!

Capilano Suspension Bridge

O parque do Capilano é uma atração super turística mas que não dá para deixar de fazer em Vancouver. Mas a dica para evitar a multidão é chegar lá no horário que eles abrem ou então no fim do dia. Afinal eles ficam abertos até às 20h no verão e dá para fazer tudo com calma em 2-3 horas no máximo. Consulte os horários e endereço no site capbridge.com. O nosso camping estava praticamente do lado e facilitou muito a nossa vida.

Outro ponto a considerar é o tipo de veículo que você está dirigindo pois as vagas para motorhomes são limitadas. Quando saímos, por volta do almoço, estava tudo lotado, engarrafado e com uma fila enorme para entrar. Para quem está no centro de Van, há um ônibus que faz o transporte gratuitamente até o parque.

O parque é conhecido principalmente por causa da ponte suspensa mas lá dentro tem muito mais do que isso. Eles tem um circuito de arvorismo na copa de árvores centenárias, casinha na árvore onde crianças podem pegar um livro de atividades, trilha suspensa sobre o cânion e uma série de atividades educativas.

Vancouver-CapilanoSimplesmente me apaixonei por esse lugar. Minhas filhas ficaram deslumbradas e aprenderam tantas coisas. Completaram as atividades do livrinho e ganharam até uma medalha de ranger. Sou medrosa para altura mas acho que valeu a pena enfrentar o medo e atravessar essa ponte.

E olha, ela foi só treinamento! Nós fomos em lugares muito mais altos e pontes muito mais assustadoras, como a da Sea to Sky Gondola.

Grouse Mountain

A Grouse Mountain (grousemountain.com) fica pertinho do Capilano então o melhor é combinar os dois passeios no mesmo dia.

A montanha é repleta de atividades, incluindo teleféricos, shows de lenhadores, santuário de animais, restaurante e trilhas para todos os gostos. Uma dica é levar uma jaqueta leve pois mesmo num dia quente, a temperatura na montanha é sempre mais fresca que na base.

Subimos o teleférico até o topo e ficamos caminhando um pouco pelas trilhas. Depois assistimos o show dos lenhadores, que foi super divertido.

Fomos seguindo o caminho marcado com o desenho das patas de urso até o local onde vivem os dois habitantes mais ilustres da Grouse Mountain, Grinder e Coola. Os dois ursos pardos são machos e foram trazidos para o santuário quando filhotes pois perderam suas mães. Além dos ursos, há várias aves de rapinas e até uma pequena apresentação, onde podemos conversar com os treinadores.

Outra coisa interessante sobre a Grouse Mountain é que ela possui uma turbina de vento enorme, que oferece uma vista panorâmica da cidade e gera parte da energia consumida pelo resort. Para chegar até o Eye of the Wind temos a opção de subir pela trilha na montanha ou pegar o chairlift. Claro que escolhemos a mais emocionante. Foi a primeira vez que usamos uma chairlift e confesso que quase tive um ataque cardíaco de tanto medo. Juro que cogitei descer andando mas quem está na chuva tem que se molhar. A paisagem compensou o meu pânico.

Nós fomos até a base da turbina mas acabamos não entrando pois ainda precisávamos seguir viagem para Whistler e o tempo estava apertado. Mas fiquei arrependida de não ter ido. Imagina como deve ser a vista lá de cima! Também não deu tempo de comer no restaurante, que era uma das coisas que nós tínhamos planejado. Enfim, vou ter que voltar!

Vancouver foi uma das cidades que mais adorei conhecer. Eu ficava surtada toda vez que levantava os olhos e via aquelas montanhas com as pontinhas cobertas de neve ao redor dos prédios. Me mudaria para lá facinho. Aliás, por que mesmo que não fui morar no oeste do Canadá?

Ahhh… desculpa Toronto, eu ainda te amo, mas tive um caso com Vancouver no verão.


Queria deixar o meu sincero agradecimento a Secretaria de Turismo de Vancouver, que nos ajudou no planejamento desse roteiro e forneceu ingressos para diversas atrações.

O Baianos no Polo Norte é parceiro do Booking.com, reservando com eles você tem a garantia de menor preço, cancelamento gratuito e ainda nos ajuda a continuar criando conteúdo. Obrigado pelo apoio!

Livi

Baiana expatriada em Toronto. Adora escrever sobre suas viagens em família e experiência de vida no Canadá

Você pode gostar...

Deixe um Comentário