Hábitos alimentares no Canadá e adaptação das crianças

O tema desse mês do projeto Mães no Canadá é sobre a adaptação dos nossos nossos filhos em relação a diferença de comida em casa e na escola. Comida brasileira x “comida canadense”. Reparem que coloquei em aspas porque é difícil definir o que é uma alimentação canadense já que é um país tão multicultural e os hábitos em cada casa são influenciados pelos costumes da família. Então considerem que estou falando de uma forma mais generalizada sobre os hábitos e tipos de alimentos servidos nas refeições, assim como o choque entre o que os nossos filhos comem em casa e na creche/escola.

alimentação no canadá refeições

O que é servido em cada refeição

Assim como no Brasil, aqui temos três refeições padrão por dia – café da manhã, almoço e jantar, porém o tipo de comida que se come em cada uma é diferente do que estamos acostumados.

O café da manhã é servido no início da manhã. Os alimentos tradicionais do café da manhã aqui em Ontário são ovos, linguiça ou bacon, batatas, pão torrado, panquecas, waffles, french toast (uma espécie de rabanada), cereais, muffins ou cupcakes, banana, maçã e maple syrup.

O almoço é uma refeição leve, tradicionalmente servido ao meio-dia ou um pouco antes. No dia a dia a maioria das pessoas comem algo rápido, prático e “portátil”, como sanduíches, pizza, wraps, sopas ou saladas. Nos fins de semana ou se almoço for num restaurante aí as refeições contém uma comida mais elaborada.

O jantar é quase sempre a maior e mais bem preparada refeição do dia de qualquer canadense. Na maioria das casas janta-se entre 5 e 6 da noite, que é o horário que as pessoas chegam do trabalho. De uma forma geral, os jantares apresentam pratos com algum tipo de carne (bife, costeleta de porco, hambúrguer ou carne moída), frango, frutos do mar, verduras cozidos (cenoura, ervilha, feijão verde, couve-flor, brócolis ou milho), macarrão, batata (cozida, frita ou purê) e pão. Confesso que até hoje não me acostumei a jantar tão cedo. Aqui em casa comemos depois das 6:30 e geralmente algo mais leve. Só comemos comida a noite em ocasiões especiais ou se formos a um restaurante.

Nos fins de semana é comum as pessoas combinarem o café da manhã com almoço e fazer um brunch (breakfast + lunch) bem farto por volta do meio dia.

A alimentação nas creches e escolas

Se o seu filho for para uma creche, esse é o tipo de alimentação que vai receber. Eles se empenham muito em fazer um menu balanceado seguindo as diretrizes do Canada’s Food Guide. Para ter uma ideia melhor do tipo de comida que eles servem, dá uma olhada no menu dessa creche. Em Toronto a grande maioria das escolas não servem almoço para alunos do JK ao Grade 8. É mais comum servirem só merenda. Na escola das minhas filhas eles dão 1 merenda por dia. Eu mando a comida de casa, mais um lanche e não tenho preocupação porque sei exatamente que elas irão comer o que está na lancheira. Mais sobre as refeições na escola aqui e aqui. Minhas filhas são acostumadas a comer um almoço com comida quente, como o que comemos no Brasil. Raramente vai sanduíche. E quando vai, percebo que chegam em casa varadas de fome.

Tanto na creche quanto nas escolas há uma preocupação em servir comidas saudáveis e também em ensinar as crianças a comerem bem. Claro que na realidade nem todas as pessoas são super saudáveis. Mas pelo menos eles estão tentando diminuir a taxa de obesidade da população, que atualmente é de 21%.

Comida de casa x comida na creche/escola

Minhas filhas nunca foram para a creche em tempo integral. Quando estavam próximas da idade escolar coloquei em programas onde elas ficavam poucas horas e recebiam apenas um lanche. Mesmo ficando meio período, uma coisa que percebi logo de cara foi que elas estranharam o tipo de comida que era servido lá. Afinal, elas estavam acostumadas a comer só comida brasileira em casa. Isso me fez enxergar que o meu horizonte estava limitado e que precisava ampliar as opções alimentares em casa. Sair um pouco da zona de conforto e também ficar aberta a provar coisas novas, para dar o exemplo. Então incorporamos muita coisa diferente na nossa alimentação porém ela continua essencialmente brasileira.

Aos poucos, tanto elas como nós fomos nos acostumando com comidas diferentes. Agora elas estão com 11 e 9 anos. Percebo que mesmo tendo as mesmas opções de alimentos, o paladar da mais velha é mais “brasileiro” e da mais nova “canadense”. Ou seja, é apenas o gosto pessoal delas e não há nenhum problema nisso.

É engraçado como as duas são completamente opostas em se tratando de refeições. Uma não come feijoada, mas compensa comendo brócolis, frutas, cereais e até come feijão se estiver num minestrone. Já a outra adora feijão mas não é muito fã de brócolis ou cereais. Uma adora pizza, a outra não faz questão. Uma adora carne, a outra prefere peixe. Uma come verduras cruas, a outra prefere cozida. Uma gosta de cereais com leite, a outra prefere farinha láctea.

Quando elas eram menores me estressava demais na hora das refeições e hoje me arrependo. A mais velha sempre foi bem difícil para comer e até hoje é um pouco resistente a provar coisas novas. Nada como o tempo para nos ensinar a sermos mais flexíveis e respeitarmos o direito dos nossos filhos de terem um paladar diferente. Hoje entendo que o mundo não vai acabar se as minhas filhas não gostarem de comer as mesmas coisas que eu ou não terminarem a comida toda que está no prato.

Não se descabele se a criança não quiser provar uma coisa diferente hoje. Continue oferecendo coisas saudáveis, quem sabe um dia ela muda de ideia e prova. Tudo na vida é fase, um dia não estão com fome, no outro comem até pedra.

Envolva as crianças na preparação das refeições

Uma coisa que ajuda demais aqui em casa é envolver as meninas na preparação das refeições. Além de criar uma experiência positiva, onde elas ficam felizes por estarem ajudando e aprendendo, sempre desperta a vontade de testarem algo novo. Elas participam do processo, tocam nos alimentos, sentem o cheiro ao preparar a comida, e ficam orgulhosas do que ajudaram a fazer. Claro que nem sempre elas gostam, mas acho que o importante é provar e continuar oferecendo.

Mesmo se seu filho for mais novo, ele pode ajudar despejando algo, mexendo, separando…o importante é estar junto.

Não se cobre demais

Longe de mim querer parecer a mãe perfeita, com filhas que comem de tudo sem dar dor de cabeça. Essas crianças podem existir mas certamente não são as minhas. Eu apenas faço o meu melhor para preparar comidas saudáveis para que elas tenham a oportunidade de provar e escolherem o que gostam. E quando não dá ou elas estão enchendo o saco, deixo comer o que querem e acabou. O importante é que minhas filhas comem bem, cada uma a sua maneira.

Não se cobre demais e não torne as refeições um momento tenso para toda a família.


Projeto Mães no Canadá

Agora passa lá nos outros blogs/canais para conferir o que está acontecendo em outras cidades e províncias:

Livi

Baiana expatriada em Toronto. Adora escrever sobre suas viagens em família e experiência de vida em Toronto

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Janayna Rando disse:

    Minhas filhas sao iguais as suas. Uma come uma coisa a outra come outra. Elas provam de tudo sem problemas, se nāo gostam nāo comem mais. O maior problema aqui sou eu. Eu nem provo. Nao saio para comer fora porque acho a higiene dos restaurantes aqui um pouco duvidosa e nāo gosto de gordura e pimenta que sao a essencia da comida no Canada.

    • Livi disse:

      Oi Janayna,
      Sabe que quando eu cheguei aqui também tinha medo de provar tudo. Mas com o tempo fui acostumando. Eu também tô fora de comidas gordurosas então tem coisa que ainda hoje prefiro não provar

  2. Gabriela disse:

    Adorei seu texto Livi. Fiquei aqui pensando: por suas filhas não gostarem da mesma coisa como vc faz na hora da refeição? Acaba fazendo dois pratos? Os meus filhos ainda estão pequenos mas já noto diferença no paladar deles, mas ainda eles comem tudo e de tudo. Mas vejo que, por exemplo, quando tem arroz o Thomas demora mais para comer (o que não acontece com massa) e o Ian mesma coisa com macarrão (mas come o arroz bem rápido). Vamos ver o que irá acontecer quando eles forem mais velhos…. Beijos

    • Livi disse:

      Eu faço refeições com coisas para que elas possam escolher. Por exemplo se tiver arroz, feijão, frango e salada, uma não vai comer a salada e a outra não come o feijão. Tento alternar e fazer pratos que uma prefere num dia e para outra no dia seguinte.

      Em relação a isso de comer algo que gostam com mais vontade aqui é igual Gaby, tem coisas que elas não gostam muito mas comem só que com aquela cara de favor porque não tem outra coisa.

      Eu ficava louca antes querendo que comessem isso ou aquilo e honestamente não vale a pena. Agora eu faço, se quiserem comer, ótimo, senão me controlo e deixo para lá.

Deixe um Comentário