Nosso roteiro de 2 dias por Victoria, a capital da Columbia Britânica

A primeira parada da nossa road trip pelo oeste do Canadá foi em Victoria, capital da Columbia Britânica, que está localizada na Ilha de Vancouver. Ela é uma das capitais mais charmosas que já visitei no Canadá, uma daquelas cidades que a gente chega e não tem vontade de ir embora. Seu centro é pequeno mas vibrante, repleto de prédios históricos e magníficos jardins. Não é a toa que um de seus apelidos é cidade jardim. Nós ficamos quase dois dias por lá e vou mostrar para vocês um pouquinho desse lugar que me encantou tanto.

Dica de hotel em Victoria

Depois de um voo de 5 horas, sem TV, que parecia que não ia acabar nunca mais, chegamos em Victoria por volta do almoço. Como era cedo para fazermos o check-in, deixamos as malas no Embassy Inn e fomos explorar a cidade. O hotel tem localização excelente, bem do lado do parlamento e isso facilitou muito para nós. Apesar de antigo, o hotel estava todo arrumadinho, super limpo e com um preço ótimo. O café da manhã é incluso na diária e estava delicioso. Tinha pães, cupcakes, iogurte, frutas, cereais, waffles, ovos, presunto, café, leite e chá.

O quarto é amplo, possui frigobar, máquina de café e até uma varandinha. A cama era muito confortável e os travesseiros fofinhos.

O pessoal da recepção ainda nos deu inúmeras dicas sobre a cidade no dia que chegamos. Recomendo!

Visitando o Parlamento da Columbia Britânica

Uma coisa que adoro fazer é caminhar e quando viajo não é diferente. Como o centro de Victoria é relativamente pequeno foi fácil conhecer os principais pontos turísticos a pé mesmo.

O Parlamento da Columbia Britânica é a sede do governo provincial (501 Belleville St). Entrar nos parlamentos canadenses meio que se tornou uma tradição da nossa família. Já visitamos em Ottawa,  Quebec City, Charlottetown e Toronto, claro. Só faltam mais 9 😉

Em Victoria, o Parlamento tem cara de Europa com sua arquitetura predominantemente neobarroca. Do lado de fora há um gramado enorme, com estátuas, fonte, um totem e  jardins.

O tour do prédio é gratuito e nós podemos fazer sozinhos ou com um guia. Antes de entrar passamos por uma máquina de raio-x similar a do aeroporto.

Seguimos com um guia ouvindo as explicações e foi bem legal. Os tours estão disponíveis todos os dias no verão e apenas durante a semana no resto do ano. Mais no site oficial aqui.

Os detalhes internos são deslumbrantes, parece um pequeno palácio com murais que retratam a história da Columbia Britânica e vitrais homenageando a rainha da Inglaterra.

Durante o verão, há ainda um programa especial chamado Parliamentary Players, onde atores interpretam personalidades que fizeram parte da história da província  e se apresentam no meio do tour ou nos jardins.  Eles ficam vestidos em trajes de época, explicam fatos importantes e deixam o tour bem mais interativo. O ator conta a história de uma maneira muito mais interessante, especialmente para as crianças.

Quando chegamos em frente da câmera legislativa, tivemos o prazer de conhecer Amor de Cosmos, um jornalista que se tornou o segundo governador da província. Nascido William Alexander Smith, ele achava seu nome muito comum e resolveu mudar. A inspiração veio do seu amor pelo universo. Achei que era brincadeira mas juro que o nome dele era esse mesmo. As meninas, que estavam achando tudo muito monótono, ficaram super interessadas quando ele apareceu.  Ao todo, são 5 personagens que se revezam nas apresentações e um deles é a rainha.

Uma dica para quem vai visitar durante a semana é comer no restaurante do parlamento, que serve café da manhã e almoço. Nós olhamos o menu e ficamos meio na dúvida se as meninas iam gostar das opções e acabamos indo almoçar em outro lugar. Para nós adultos as opções encheram os olhos. Vejam o menu e horário de funcionamento do restaurante aqui.

Inner Harbour

O Parlamento fica bem em frente ao porto, área conhecida como Inner Harbour. E foi para lá que seguimos andando. A área é super charmosa e tem sempre algo acontecendo, como música ao vivo ou feira de artesanato. A marina é bem ativa, com barcos e hidroaviões circulando o tempo inteiro.

Almoçamos quase às 15h, no restaurante Milestones (812 Wharf St), que tinha uma vista privilegiada da marina.

Já conhecemos a rede de restaurantes de outros carnavais e sabíamos que teríamos comida boa por um preço justo.

Centro de Informações turísticas de Victoria

O centro fica em cima do restaurante que almoçamos (812 Wharf St). Eles oferecem diversos serviços, mapas, livros de desconto, wifi gratuito e ainda vendem passes mais baratos para os ônibus.

Nós queríamos ir ao Butchart Gardens e como teríamos que esperar mais de 1h até o próximo ônibus eles pediram um taxi para nós.

Butchart Gardens

Com o objetivo de evitar a multidão de turistas e pegar uma luz melhor para fotografar, deixamos para visitar os famosos Butchart Gardens (800 Benvenuto Ave, Brentwood Bay) no final do dia. Foi uma decisão muito acertada pois quando chegamos lá a maioria dos ônibus de turismo estavam saindo.

A coleção de jardins temáticos, tombada pelo patrimônio histórico do Canadá, é incrível e considerada uma das mais belas do mundo! Para mim, foi um dos jardins mais deslumbrantes que visitei. Gastamos umas 3 horas lá dentro e só voltamos antes de escurecer pois as meninas já estavam acabadas por causa da viagem de avião e da diferença do fuso horário (3 horas a menos que em Toronto). O parque possui iluminação especial durante a noite e show de fogos de artifício nos sábados de verão, é bom ficar de olho e visitar num desses dias.

Os jardins ficam fora da cidade, portanto se você não tem meio de transporte vai precisar pegar um ônibus (número 75) ou taxi. Nós fomos de taxi e voltamos de ônibus comum. A viagem de ônibus demorou em torno de 1h e foi super tranquila.

Todos os detalhes da nossa visita, mais um montão de fotos estão num post especial sobre o Butchart Gardens (clique para ler).

Iluminação noturna

Uma coisa imperdível em Victoria é a iluminação noturna dos monumentos e do porto. Fiquei simplesmente maravilhada porque a cidade consegue ser extremamente linda de dia e de noite. Parece que saiu de um filme de tão perfeita. As fotos falam por si.

Fisherman’s Wharf

No segundo dia, fomos cedinho para o Fisherman’s Wharf (1 Dallas Rd), um outro porto, pertinho do Inner Harbor mas com uma característica bem peculiar. Ele é cheio de lojinhas, restaurantes e até casinhas barco, que ficam permanentemente ancoradas ali. O lugar é um charme, todo colorido.

Aproveite para tomar um sorvete, comer num dos restaurante e alimentar as focas que gostam de tomar sol por ali (eles vendem restos de peixe num saquinho).

Tour para observação de baleias

Esse foi o passeio mais antecipado da viagem e foi espetacular! Fizemos o tour num barco semi fechado, com a empresa Eagle Wing e tivemos uma das experiências mais marcantes da nossa vida, vendo baleias nadando livremente em seu habitat natural.

Vimos também focas, lontras, elefantes marinhos, águias e diversos pássaros. O passeio é muito tranquilo e o barco quase não balança. Mesmo assim, tomamos Dramin antes de partirmos para garantir que não iríamos alimentar os peixes (como disse uma das biólogas que estavam no barco).

A empresa garante que veremos baleias no tour e depois de fazer o passeio entendi o motivo. O capitão fica o tempo inteiro no rádio, se comunicando com outros barcos que estão no mar. Então, assim que alguém acha uma baleia, todos correm para o mesmo lugar.

Nessa época do ano é muito comum ter orcas e jubarte na região mas nós só vimos 3 jubartes, que estavam super calmas e não pularam para fora da água nenhuma vez. Esqueceram de avisá-las que os turistas vieram de longe e estavam esperando um grande pulo. Mas fazer o que… As orcas não apareceram de jeito nenhum e eu fiquei meio triste pois queria muito vê-las. Mesmo cumprindo com o prometido e mostrando as baleias, eles ofereceram um desconto bom para todos que quisessem fazer o tour novamente, outro dia, em busca de orcas. Se por acaso nenhuma baleia aparecer o segundo tour é gratuito.

Nós fomos no segundo barco do dia mas acredito que quem vai mais tarde leva vantagem pois as empresas já sabem exatamente onde estão as baleias e não precisam ficar procurando. O tour durou mais de 4 horas e claro que também vou escrever um post separado para contar com detalhes toda a experiência.

Chinatown

Depois de desembarcarmos do tour, pegamos um barquinho taxi e seguimos direto para Chinatown, que é a segunda mais antiga da América do Norte, perdendo apenas para a de São Francisco. O bairro é cheio de lojas, restaurantes, cafés e ainda abriga a rua mais estreita do Canadá. No seu ponto mais estreito a Fan Tan tem Alley tem apenas 0,9m de largura, parece mais um beco. Nós estávamos andando pela Fisgard St e quase não vimos.

Almoçamos por ali mesmo na  Swans Buckerfields Brewery Pub (506 Pandora Ave), considerada a melhor cervejaria de Victoria. Eu não gosto de cerveja mas o maridão adorou a cerveja deles, que veio mega gelada! Eles tinham menu infantil e receberam bem as meninas.

Thunderbird Park

O último lugar que vimos antes de irmos para Vancouver foi o Thunderbird Park, um parque onde há diversos totens e monumentos das tribos dos povos nativos da região. O parque, apesar de ser uma praça onde qualquer pessoa pode apreciar gratuitamente, faz parte do Royal BC Museum.

Outras atrações para visitar em Victoria

Gostaria de ter tido mais tempo para explorar Victoria. Infelizmente não deu para fazer tudo que a gente queria nesses quase dois dias que ficamos por lá.

Tem gente que faz a cidade num esquema de bate-volta de Vancouver, indo e voltando no mesmo dia. Sinceramente, a menos que você vá de avião o seu tempo vai ser tão curto que não vai conseguir aproveitar muito. A viagem de ferry demora em média 3,5h. Se quer sentir o local e passear com mais calma sugiro reservar 2 dias ou mais.

Para quem vai ficar mais tempo, ou não vai fazer o passeio para ver as baleias, fica a dica dessas atrações que tinha colocado no meu roteiro e que gostaria muito de ter visitado:

Royal BC Museum

Museu fundado em 1886, possui um acervo de mais de 7 milhões de peças sobre história natural, moderna e dos nativos da região.

Endereço: 675 Belleville St.

Castelo Craigdarroch

Castelo museu que foi tombado pelo patrimônio histórico nacional canadense.

Endereço: 1050 Joan Crescent.

Beacon Hill Park

É um parque público com 75 hectares bem no centro de Victoria. Ele possui jardins, 2 parquinhos, fazendinha e trilhas lindas. Na parte sul do parque está o monumento Mile Zero, que marca o início (ou o fim) da HWY 1, conhecida como TransCanada. No total são 8000km de uma ponta a outra do país.

Endereço: 100 Cook St / 18 Douglas St.

Hatley Park National Historic Site

Quando estava pesquisando sobre a viagem vi a foto desse lugar no Instagram e fiquei louca de vontade de ir. O castelo fica em Colwood, na região metropolitana de Victoria. Atualmente é usado pela Royal Roads University. Ele foi construído em 1910 e quase foi residência da família real britânica durante a Segunda Guerra Mundial.

Endereço: 2005 Sooke Rd.


Queria deixar o meu sincero agradecimento às secretarias de turismo das cidades de VictoriaVancouver e ao Butchart Gardens, que nos ajudaram no planejamento dessa viagem e nos ofereceram ingressos cortesia para diversas atrações.

Se você quer ler um pouco mais sobre Victoria recomendo os blogs  Felipe, o pequeno viajante e  Embarque com a Pri, ambos contém bastante informação sobre a cidade e eu devorei as dicas.

O post contém link para o Booking.com, ao qual o Baianos no Polo Norte é afiliado. Isso significa que recebemos uma pequena comissão nas reservas feitas a partir desse link. O leitor não paga nada a mais por isso. A renda ajuda a pagar os custos de manutenção do blog.

Crédito das fotos: Beacon Hill por Frederico Morini via Flickr CC, Hatley Park por SatrinaO via Flickr CC, Castelo Craigdarroch por Natalia Lopes via Flickr CC.

Livi

Baiana expatriada em Toronto. Adora escrever sobre suas viagens em família e experiência de vida no Canadá

Você pode gostar...

Deixe um Comentário